domingo, 6 de novembro de 2016

Nem toda poesia é escrita

Tinha uma ideia fluindo
Uma nuvem no céu do quarto sem abrir a janela
Tinha uma ideia fluindo
Levantei-me, como se fosse visita
Educadamente retiro-me do quarto
(nunca sem pedir licença)
E pego um copo d'água
(é que minhas ideias tiram o fôlego).
Pois, para minha surpresa
Sem despedida, a ideia foi embora
Pouco me importa
Um mosquito sobrevoava a cabeça
Tinha um zumbido alto
Deu-se um poema silente no quarto
Mais ou menos assim:







Vazio, sem pensamentos.
Calou a boca de quem falava
Acalmou a mente de quem pensava
Alcançou a alma de quem tinha

Nem sempre se escreve uma poesia.