quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Sobre seu sorriso

Deus me livre, menina! Você sorrindo pra mim e eu sorrindo pra vida? E tenho lá maxilar pra isso? E quantos dentes você põe à mostra?  Em qual continente termina esse seu sorriso?  Deus me livre! Deus me livre você nos meus braços em um fim de tarde, e se eu não quiser mais te largar? Deus me livre de te olhar daquele jeito  e você me olhar de outro jeito e a gente dar um jeito nisso.  Deus me livre! Olha, só de te ver sorrir mergulho dentro da sua boca,  bem no meio dos seus dentes. Eu cruzo os braços e o seu destino. Você sorri pra mim e eu pra vida. Se te dei as costas não te quero?  Escuta, menina, esses gestos são traiçoeiros. Eu já até dei seu nome pro travesseiro. Mas a alma não, a alma é singela e artista de verdade: esboça e assina. E se você volta, como é que eu paro o tempo?  O que eu faço com a vida lá fora? Que vida lá fora?  Se você volta, Deus me livre ter vida lá fora!