segunda-feira, 30 de junho de 2014

Estrela-do-mar

Tem a força dos ventos na ponta dos pés
Baila a todo furacão
É leve e desanuviada
Uma alma cigana sem bússola nem casa

...por pouco não fugiu do útero
não cuidou de abrigar o coração
nem de entalar na laringe
como fazem os seus choros
silenciosos dos quais sou ouvinte
chora leve, vazia e plena...

Veio ao parto - veio à vida
Gentil e levianazinha
Sabe ser pagã, monoteísta
Pode até endeusificar
Abriga uma fera debaixo da pele
Coisa de indomável felina
Mas como insiste em desanuviar!

Vive a pairar entre nuvens
Protagonista da própria tragédia
Comediante nata de si
Mais artística do que artista
Artisticamente falando
Contrário da paz
Mas meditou na Segunda Guerra

Um poço de águas turvas
Uma viagem de volta
Sem perceber que foi
Um canto de sereia
Uma lenda, um náufrago
Estrela-do-mar ou cadente
Boiando, nadando, remando
Existindo, vivendo, desanuviando.