domingo, 18 de maio de 2014

Caos

De repente o caos
Este sinônimo da vida
Alegre é desassossegar-se
Tarda o vento
Tarda a chuva
Tarda até a primavera
Mas a fé pode ser nada
Até ser tudo o que lhe resta
Desse sonhar desacordado
Até que a vida nos sossegue
Fria e quieta, entristecida
Lacrimejo de águas doces
Choro rios de calmaria
Pensar engole a vida