domingo, 29 de dezembro de 2013

P(r)o(b)(l)ema(s) da madrugada

Temo o tédio porque pode ser nada
E por ser nada é tão vazio
Que logo se torna pleno de tudo.