terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Do adeus, o teu fardo

Quando horrenda for minha despedida
 E pesar o fardo do adeus em teu seio
 Quando veres que deixaste uma vida
Pela culpa, que tu crês em devaneio

  - Que vão dizer-te do que fui e eu não sou
 Há de provar-te o tempo o que fizeste:
 O castelo que fora erguido despencou
 E vosso sonho hoje morre e vai celeste...

   Lembrar-te que há um mês na madrugada
 Olhaste em meus olhos e disseste
"Quero!" - está comigo enamorado...  

Este amor que tanto foi e não é nada
 Mas um dia vos foi tudo! Que fizeste
 Tu! - destino torpe, malcriado...