sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Cinzas

Eu escrevi cartas, apontei estrelas - chegou a brilhar a ponta dos dedos -, rimei versos com carinho, com cuidado, borrei guardanapos, andei de bar em bar, beco em beco, boteco em boteco te fazendo poesia, refleti nos olhos a lua cheia, a meia lua da madrugada, fiz juras de amor, prometi o que não se pode prometer, jurei que não jurava jurar assim outra vez - e não jurei, eu juro! -, dobrei com cuidado meu amor, guardei na caixinha de cigarro, se achar o isqueiro vai virar fumaça. Dei um trago, amor eterno, virou cinzas.