sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Cegueira

Virou-se para a lua
Escorriam fios de cabelos
Negros
No condão das cataratas
Com sutileza, cobriram-lhe as costas
Os olhos meus fitaram sua foz
No traje infante, a nudez perfeita
Poço de martírio - teu - o meu fervor
A pele brilhante
Luminária da minha noite
Não existia
Relampejava.
Mulher
Causou cegueira.

(...)

Virou-se para mim
Os cabelos taparam-lhe os seios
Escorriam timidamente
À frente era lagoa, cachoeira
Fitou com olhos de águas calmas e doces
Sem trajes, de alma delicada
Nua de si, era perfeita
(Quando a alma se dava para a minha)
Não existia
Eu que sonhava
Menina
Causou cegueira.