quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Saudade dói; e me mata aos poucos.

Você quer a verdade? Meu peito está doendo. Eu bebi demais também, minha cabeça está doendo. E comi e bebi mais para curar a ressaca, meu estômago está doendo. E cansei de te esperar em pé e sentada: meus joelhos estão doendo, meus pés estão doendo, minhas pernas estão doendo, meus braços estão doendo, minhas mãos estão doendo, eu estou doendo. E quer saber de uma coisa? Eu desejo que tudo isso em você doa em dobro, porque eu sei que você não suportaria. E se não suportar, você vai voltar e piscar os olhos da forma mais terna, como olhos de mel que cuidam de ser escondidos embaixo da franja, pouco sei de suas sobrancelhas e da sua expressão, mas seu olhar é doce, seu rosto é doce, seu gosto é doce, e você...você era tão doce. Espero mesmo que esteja doendo. E não é só que a saudade faz doer cada parte do corpo. A saudade mata, e me mata aos poucos.