domingo, 12 de fevereiro de 2012


Não, eu não vou pedir desculpas, perdão de joelhos, serenata na janela, subir degrau de igreja. Não vou apontar seus erros, descontar minha raiva, encher os seus ombros de tapas tão frágeis que você nem sentiria. Não vou andar atrás, te procurar pelas esquinas, ruas, carros, bares, placas, agenda de telefones. Não vou te puxar pelo braço e fazer com que você ouça todas as coisas loucas, as ideias malucas e inimagináveis que eu tive na cabeça, e o quanto eu estive pensando em você. Eu não vou voltar atrás, nem vou pedir que você volte. Tudo isso para provar que sou forte. Forte o bastante pra não ser feliz de novo.