quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Borboletas

Não sou digna de felicidade
Não conheço a felicidade
Só ouço falar em algo que chama
E parece
Felicidade

Tem até uma sombra devaneia
Que inocente me visita
Pela fresta da janela

A felicidade vem
Vem no fundo da minha alma
Passeia, passeia
Mas nunca se hospeda em mim.

Lá de longe vejo a felicidade
Disfarçada de alegria
Foi-se
No jardim das borboletas.