quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Tenho raiva de mim. Esse jeitinho de sobrar delicadeza pelas bordas da forma, receita mal feita, parece que fico atrasada na estação de trem correndo atrás quando a porta se fecha. Quem será que me ouve? As estrelas, o mar, gotas de chuva, as fadas? Será que me dariam razão? Eu não sei, não importa, perdi a chave, o juízo, a vontade e o bom senso. E o pior de tudo - dessa recaída de amargura - é que não vou poder dizer "Olha isso que você me faz!". Simplesmente porque você responderia "Isso o que?".