sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Sabe, eu não estou me conformando com as férias que chegam. Eu não cruzo o seu caminho todos os dias, mas de saber que amanhã você vai de novo pisar onde eu piso, ah não, você poderia deixar rastros, pegadas que eu pudesse seguir. A essa altura, desejaria te ver a quaisquer metros. A essa altura, eu sorriria ao te ver de longe. E acompanharia seus passos a desfilar diante dos meus olhos brilhando, vidrados, tendo os vinte segundos mais felizes da minha semana. Porque todas as lembranças suas, até as mais curtas, são especiais e inesquecíveis. A essa altura, eu só queria estar debaixo do mesmo teto. Eu só queria te ver passar de costas. Minha alma chora.