quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

De corpo, alma e uma certeza

Penso que esse é o momento mais forte do amor. É quando você vem sem bater na porta. Hoje acordei por volta das 5 e alguns quebrados da madrugada, e coberta pelo edredom e uma pesada saudade, decidi olhar a foto sua para levar a insônia embora. É que te olhando eu engano bem, e penso que estou sonhando. Então durmo. Sabe esses olhos amendoados, as sobrancelhas levemente erguidas na expressão mais delicada? O desenho perfeito do nariz, os lábios tão misteriosamente elaborados, mas como tela de Picasso são os meus pensamentos abstratos, vagando e batendo contra a parede do quarto para chegar até você. Esse é o momento mais forte do amor. Quando eu olho para os mais perfeitos amores que têm me procurado, e firmemente decido sentar-me sozinha à tarde ensolarada, até choro se conseguir esconder bem, olho para baixo e firmo o pensamento. Preciso dizer que te amo. Preciso lutar por você. Preciso correr até a porta e bater, se você me ouvir chamar, ou simplesmente confiar nesse amor e nos sinais que nos unem: fechar os olhos, ir de encontro, de corpo, alma e uma certeza. Eu te amo. Eu vou te ter.