quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Preciso de ti de algum jeito

Preciso de ti de algum jeito
Que quanto mais longe estás
Pareces ferir-me o peito
Querendo roubar-me a paz

Preciso de ti de algum jeito
Que quando estás na minha frente
Condenada ao crime perfeito
Fico a querer-te pra sempre!

Preciso de ti de algum jeito
Que não posso cobrar-te nada
Vejo em ti tudo perfeito
É minha sina apaixonada

Mas preciso de ti de algum jeito
Que palavras diriam tão pouco
Se estivesses a deitar no leito
Faria poesia em teu corpo

Preciso de ti de algum jeito
Que saibas que é puro e bonito
Preciso de ti, que não esqueço
Como preciso do infinito

Preciso de ti de um jeito
Um jeito que só eu sei
Onde andas, amor? Que importa?
Se ainda te amarei...