sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Fico pensando se você me desse qualquer coisa que fosse - um gesto tolo, um sorriso bobo, um beijo no rosto. Se você me desse um abraço apertado, a mão por algumas horas, um recado na caixa postal. Se você me desse uma certeza, me desse você em metade, se me desse uma chance. Fico pensando se você me desse qualquer coisa, porque tudo eu aceitaria, pode ser uma proposta decente, pode ser um segundo de beijo. Se você me desse uma foto sua, uma inédita, porque todas as que foram publicadas eu já tenho guardadas. Se você me desse um pedacinho seu, qualquer coisa que fosse de você. Penso tanto nisso, queria tanto te ver agora. Pode ser um cinema, shopping, teatro, pode não ser nada, eu combino a hora e você sai na janela para eu te ver. Se você me desse qualquer coisa que não fosse esse silêncio absurdo, esse sorriso que vem me triturando com os caninos.... Ah, se você me desse pelo menos um dia com você, eu não pediria mais nada. E esse seria o dia que eu viveria de novo por tantos e tantos outros dias, e nele - nesse mesmo dia - viveríamos tantos e tantos dias...