terça-feira, 23 de novembro de 2010

Pecado não querê-los (bem)

Como um vasto céu enluarado
O esvair do sereno no corpo
Os pedidos que fazem às estrelas
Clamei buscando em teu rosto

Pareces loucura delicada
Que meus olhos não aguentam
Olhar-te sem querer-te
Eu juro que eles tentam!

Mas que infortúnio faz
O destino a zombar de mim
Digo-te adeus e...jaz!
- Parece que é o meu fim

Conformo-me em perguntar-te
Como estás e passaste o dia
E preciso avisar-te
Que isso faz minha alegria

É como se o tempo inteiro
Que tivesse para estar ao teu lado
Com que me presenteio
Mais que este céu enluarado

Fosse uma eternidade
Da beleza tua que não cessa
Começa na tua amizade
E termina onde mais peca

Peço-te só um carinho
Que sejas feliz, amor amigo
Só não queiras saber, amorzinho
O que teus olhos fazem comigo!