segunda-feira, 22 de novembro de 2010

37 anos e 44 meses

E naquela conversa - em uma das tantas que tivemos, via-me tão apegada aos seus detalhes que, como passe de mágica, coordenava a mais perfeita e utópica similaridade, a dominar seus gestos a ponto de prevê-los, e a ler seus olhos, decorar suas cores, amar você. Sentia que, do outro lado da tela do computador, meus dedos transpassavam a finura dos seus cabelos e estariam neles emaranhados.
- Sabe a sua foto que é a minha predileta? Fiz um poema a ela.
- Quero ver agora!
- Antes, queria que você desse nome a ele. Seria uma honra.
- Hoje eu não vou conseguir pensar, amor. Estudei o dia todo e...
- Calma. Você tem ainda 37 anos e 44 meses para isso.
- Por que?
- É quase a metade do tempo que quero estar ao seu lado.