sábado, 16 de outubro de 2010

Vejo seus olhos amendoados diminuírem pela expressão do seu sorriso. Está de cabeça para baixo em meu colo e sua beleza ainda é a mesma. Nós damos as mãos e entrelaçamos em seu peito, procurando no céu uma beleza que não sejam as estrelas, porque não quero que esse dia termine. A imagem esmaece na minha mente quando anunciam o embarque do voo. Penso que ainda é cedo - que você precisa de um tempo - mas cada volta que dá o relógio é uma flecha no peito matando de saudade. Lá de cima quero ver o mar, vou estar na altura do seu pensamento. Sinto agora desacordada o tom da sua pele, o sorriso, o olhar, os cabelos...e que estou atrasada. Vou embora. Algo apita naquela esteira. "O que traz na bagagem?" - diz o segurança. "Excesso de amor."