sábado, 16 de outubro de 2010

Queria o extinto veneno do cálice a me tomar pela boca, como se pesca um marisco inocente que se deixa seduzir pela superfície. Queria mais do que mentiras verdadeiramente intencionadas, mas se me oferecerem esmolas, eu aceito meia ilusão perdida. Queria um sonho mesmo que fosse pela metade. Queria não menos do que sentimento. Hoje só queria a tristeza do amor, pra não morrer com a falta dele.