segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Morrer de ti

Se um dia alguém vier perguntando
O que há nessa cama, nos lençóis revirados
Minha alma responde que está chorando
Por entre esses olhos tristes, banhados...

Dizem que tu não mereces
As lágrimas que estou chorando
Mas ninguém ouve minhas preces
Eu choro só, num canto...

Diz, amor, que a vida é esta
E que não vive quem dispersa
A dignidade de morrer amando...

Dizem que o meu amor não presta
Digo então: o que me resta...
- Morrer de ti? Viver esperando?