sexta-feira, 30 de julho de 2010

Hoje o que resta é uma incerteza. Ao menos na sua cabeça. Não sabe se devíamos ter nos conhecido, não sabe se devo entrar de vez na sua vida. E nem sequer teve a educação de perguntar se poderia entrar na minha. Veio assim, me tomando as chaves, arrombando a porta, ganhando espaço. Hoje, sou sua.
Amanhã? É que você sempre insiste em saber o porquê, e tudo o que a vida tem me ensinado é que o porquê é só detalhe, não importa. Se o sol nasce, eu agradeço o dia. Se a água é vital, eu simplesmente bebo. Se você entrou na minha vida, eu rejeito qualquer acaso. Daqui para frente eu só quero brigar por você, pela sua felicidade. Não vou deixar jamais que você vá embora da minha vida. E não queira também me deixar. Antes, se despeça. Quando virar as costas, provavelmente eu não estarei respirando mais.