terça-feira, 27 de julho de 2010

Acabo de ouvir a sua voz no telefone, e é tão patética a forma como eu disfarço o choro de mim mesma. Essa sua indiferença vem sugando da minha alma aos poucos a própria esperança que tinha de viver. Digo que seria apenas horrível e trágico se eu precisasse ir embora da sua vida para você descobrir que não queria isso. E que porcaria de estrelas ela tem te mostrado? Se comigo você viu a lua... E, que droga, eu amo todos os seus defeitos. Ela apenas os conhece!