domingo, 6 de junho de 2010

Metade


Quando o peito se enche de saudade
Ele busca a minha metade
Bem sei que tão longe estás

Mas é cheio de felicidade
E nunca que tira a vontade
Do teu nome trocar minha paz

E se a vida escolheu um moinho
Para o vento fazer teu destino
Até logo, meu amor, adeus

Leva embora a tua beleza
E me deixa aqui a tristeza
Dos meus sonhos serem teus

E se um dia houveres de voltar
Não procures outro lugar
Deixa vir no encontro das águas

O amor que prometeu esperar
Além da vida e do tempo passar
Sobre a felicidade e as mágoas

Chorarias, meu amor
Se sentisses a minha dor
Que doía te deixar partir?

Me perdoa, querida
Quem sou eu, mais do que a vida ?
A vida que te deixou ir

Quando o peito se enche de vazio
Ele busca a minha metade
Bem sei que me vês chorar

Mas é cheio de felicidade
E nunca que me tira a vontade
De pra sempre querer te amar

Eu ouço o destino chorando
Em cada passo que dás rasgando
Os versos que te escrevi

És o amor da minha vida
E o teu pra sempre a despedida
Despedes e não me deixas ir...