sexta-feira, 14 de maio de 2010

Algum segundo da madrugada

Lembro-me de afugentar o rosto entre as mãos e brigar com o relógio. Podes acreditar, o tempo parava e só voltava quando eu queria. Teus olhos fechados escondiam um sonho enquanto um tremor tomava meu corpo. Com mãos de fada te fiz um carinho, só por fazer e não para tu acordares. E me desculpa se beijei teu rosto, foste mais que ternura. O dia já esperava muito para nascer e eu ali tentando prender teus olhos desacordados... Apenas sua respiração era mais alta que meu pulsar do coração e eu queria só ouvi-la. Agora ainda está ao meu redor. Sua blusa era vermelha, e o resto da roupa eu não sei (porque não havia e eu te cobri antes que o frio te acordasse).

OBS: Quando deitares comigo, não peças mais para me abraçar. Não penses em aquecer minhas costas com teu peito e largar o braço na minha cintura. É que por conta disso eu não durmo mais...