segunda-feira, 27 de julho de 2009

Amor, amor...

E tão cruelmente como te vai a revoada petiscar o sangue e a carne sem vida, vem atroz o amor...
Miguel Alcântara