sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Por Um Minuto A Mais

Meu amor, não vai agora. Sei que está tarde, mas não queres ver as estrelas no céu? Fica só mais um pouco, eu ainda nem disse que te amo tanto. Espera, amor, eu não falei ainda que preciso de ti. E vais assim, sem saberes do quanto dói profundamente, e arde o meu peito rasgado pela ausência tua em cada dia. Desfrutei dos abraços teus, e eu sinto o teu corpo tão perto que só de avistar tu sorrires já valeu-me o dia. Fica mais aqui, amor, e bem perto. Posso te tocar devagar, e terminar de desejar com os olhos cada pedaço de teu corpo. Basta que tu fiques só mais um pouco, preciso te ouvir falar qualquer asneira. Preciso do silêncio para sentir tu respirares um pouco, e roubas o ar que tanto me falta quando estou assim, bem perto de ti. O mesmo ar que me sufoca quando penso que este amor só pertence a mim. O ar que me ameaça de morte por pensar em não te ter um dia. Um toque dos teus lábios nos meus, bastaria. Um sorriso teu, todos os dias, bastaria. Mais um abraço teu, apertado, demorado e assim, cheio de calor, bastaria. Até quando poderei estar aqui para admirar-te, anjo? E se for embora, o que farás? Perdoa-me! Sou humana e não hei de suportar tamanho sacrifício, em querer-te eternamente na certeza de seres tu o grande e eterno amor da vida minha! Eu não disse ainda, amor, mas tu fostes agora. E eu daria tudo para te ter por mais um minuto, que passa tão devagar contigo. Volta, amor, não quero que me deixes assim. Minha vertigem percorre teu cenário – este lindo rosto, teus olhos, teus cabelos, tua roupa. Sinto teu cheiro ainda, ele está em mim, e sinto teu suspiro ao meu redor. Sinto que estás em toda parte e eu morreria só para te ver adormecer agora e passar toda a noite ao teu lado. Meu amor, como está doendo forte a tua ausência. Querer-te a todo o tempo e disfarçar tanto me torna forte, me torna fria e eu já não agüento mais. Volta, amor! Eu nem disse que eu te amo, e posso nem dormir por isto!

Laura Vianna