sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Indomável Instinto

Sou mulher de vários amores. Sou suja e peco em vão, a declarar-me intensamente em cada esquina das ruas em que atravesso de madrugada. É madrugada, ou não sei, mas há uma escuridão. Sou fria e não nego, mas sou ardente por alguém!
Minhas paixões encantam como uma maré alta e me bate forte, mas bate nas pedras que habitam meu peito.
Eu tenho dó de quem gosta de mim, tenho pena de quem me ama!
Vão, vão olhar para os lados e não sejam tão dóceis, homens de naturezas imbecis, eu tenho nojo de vocês.
E mais, eu odeio essa porra que é o amor. Não é palavrão, é metáfora, e tu és tão submisso que se impressiona com isso.

Victória Prado