quinta-feira, 18 de dezembro de 2008


Á Meia Luz – Seu Nome...

Quando cessar o anoitecer
E na solidão encontrar-te
Escreva-me todo o teu sofrer
Antes que este amor me mate.

Quero ser digna dos beijos teus
Bem dados, de lábios colados
E um suspiro profundo.
Quero dizer-te dos aflitos meus
E te apertar o corpo, amado, desejado
Para esquecer assim do mundo.

Quero ser a tua procura
Que vaga em meio à multidão
O reflexo doce em teus olhos de maré
Que naufragam o meu peito na solidão.

Quero tê-los de perto, estes olhos de infante!
Criatura sedenta, do pecado amante
Quero um abraço, pesado no peito
E que me mates – de amor em teu leito.

Quero a ternura das tuas palavras
Todas ecoando entre vagas promessas
Quero a eternidade de vossas almas
Quero um beijo ao amor que selas.

Quero e somente quero
Antes fosse muito mais que querer
Ah, meu grande amor, se eu te espero?
Até o dia em que meu coração morrer.

E diga-me se vivo por ti, e direi que te amo!
Mas diga-me se te amo...
E darei-te a vida!

Laura Vianna